Suplementação infantil

Sabe quando o pequenino tem aquela vontade de comer algo que ele não sabe bem o que é? Às vezes parece gula, mas na verdade pode ser o organismo tentando alertar que a ingestão de nutrientes está inadequada ou insuficiente, o que é conhecido como fome oculta.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de dois bilhões de pessoas no mundo apresentam fome oculta, ou seja, o corpo sente a necessidade de um ou mais nutrientes3 em que não há sinais evidentes, mas que podem impactar o desenvolvimento intelectual, a saúde e a produtividade do indivíduo. Crianças e as mulheres em idade reprodutiva são as populações de maior propensão para apresentarem esta condição. Nos últimos anos, houve uma mudança de uma dieta rica em nutrientes para uma mais pobre em nutrientes, devido a mudanças climáticas e comportamentais.

Antigamente este era um quadro que afetava mais as populações de baixa renda, porém com os hábitos alimentares atuais, a fome oculta é bastante democrática e atinge pessoas de todas as classes sociais. Este é um quadro tão prevalente que, na pirâmide alimentar da Organização Mundial da Saúde, há a recomendação de se usarem suplementos vitamínicos específicos para cada idade, gênero, etnia e condição clínica.

Referências:
1- Giugliani ERJ, et al. Normas alimentares para crianças brasileiras menores de dois anos [monografia na Internet]. Brasília: Organização Mundial da Saúde,
Organização Pan-Americana da Saúde; 1997 [acesso em 2012 Apr 17]. Disponível em: http://www.opas.org.br/sistema/arquivos/bases.pdf.
2- Rego C, et al. Obesidade pediátrica: a doença que ainda não teve direito a ser reconhecida. A propósito do 1º Simpósio Português sobre Obesidade Pediátrica.
Acta Pediatr Port. 2005;36:XI-XII.
3- WHO (2003) The World health report 2003. Shaping the Future.http://www.who.int/whr/2003/en/whr03_en.pdf.