Mitos e verdades

Quer saber se aquilo que você ouve por aí é verdade ou mito? Clique nas questões e veja qual a informação certa sobre alimentação infantil:

Criança acima do peso tem deficiência nutricional e criança magra é saudável.

MITO
O desvio nutricional pode ocorrer independentemente do peso. A magreza pode ser genética e, atualmente, as crianças são mais sedentárias, o que pode gerar aumento de peso. A deficiência é causada pela pouca alimentação ou pelo excesso dela. Em ambos os casos, a condição é causada por um desequilíbrio entre a necessidade do corpo e a ingestão de nutrientes essenciais. Sendo assim, o peso da criança não pode ser parâmetro para tal avaliação, por isso é essencial acompanhamento médico para entender cada caso e suplementar nutrientes para pacientes que deles precisem.

Mesmo não comendo muitas verduras, frutas e legumes, não é necessário complementar os nutrientes na alimentação do meu filho.

MITO
A ausência de alimentos como frutas, legumes e verduras na alimentação provavelmente provocará carência nutricional e algum suplemento pode ser necessário para compensar a falta dos nutrientes.

Alimentos que pertencem ao mesmo grupo podem ser fontes de diferentes nutrientes.

VERDADE
Um bom exemplo são os vegetais verde-escuros, que concentram vitaminas A e C, ácido fólico e potássio.

A alimentação de uma criança de 4 a 10 não precisa de atenção especial.

MITO
Nesta fase, o aprendizado e o desenvolvimento da criança passam por etapas críticas de extrema importância. É nessa idade que ela começa a desenvolver mais seu raciocínio lógico. Uma alimentação adequada é importante nesta faixa etária.

Não há idade certa para o início do consumo de suplementação vitamínica.

VERDADE
Cada caso deve ser avaliado pelo médico. Há consenso entre a classe médica que os bebês prematuros, por exemplo, precisam de suplementação imediata. Além disso, após os seis meses de alimentação materna, quando a criança passa para alimentação sólida, se esta não for equilibrada, é necessária uma avaliação profissional para entender a necessidade de complemento vitamínico.

A quantidade calórica ideal para uma criança ingerir diariamente varia de acordo com a idade.

VERDADE
A quantidade calórica necessária para crianças de dois anos é de 1.000 calorias por dia. A partir de seis anos, passa para 1.400 e, na pré-adolescência, o consumo de energia aumenta. A partir dos 10 anos, portanto, as crianças devem ingerir 2.000 calorias por dia.

O lanche no período escolar é muito importante.

VERDADE
O lanche escolar é essencial para gerar energia para a criança, além de prover os nutrientes necessários para completar a quantidade diária de nutrientes de uma dieta saudável. Para uma criança saudável um bom lanche deve ter: uma porção de carboidratos, uma de lácteos – para fornecer proteínas –, uma fruta – para suprir vitaminas, fibras e minerais – e uma bebida natural – para a hidratação. Como a alimentação correta é atualmente feita a cada 3 horas, a criança deve comer em menor quantidade, mas mais vezes.

Pipoca é um vilão da alimentação infantil.

MITO
Ao contrário, a pipoca, se preparada e consumida da forma correta, pode trazer vários benefícios para a saúde, pois possui nutrientes importantes para o organismo e além de ter uma grande quantidade de fibras, o que ajuda a melhorar o funcionamento do intestino em termos de regularidade e consistência do bolo fecal. Ela só será vilã se houver adição de manteiga ou margarina, ou se esses produtos forem usados no seu preparo, pois, além de ela ficar mais calórica, ainda provoca o aumento do colesterol ruim, o LDL, e a redução do bom, HDL. Também é importante ter cuidado na hora de salgar a pipoca e evitar as de micro-ondas, que contêm muito sódio.

Nugget assado é liberado.

VERDADE
Sim, desde que seja de preparação caseira, que é mais saudável. Os produtos comprados prontos, mesmo que assados em casa, no momento da preparação industrializada, passam por uma fase de fritura, que é o que ajuda a mantê-los conservados por mais tempo. A fritura é a grande vilã da alimentação, seja infantil ou adulta.

Doce é mais prejudicial para as crianças mais novas

MITO
As guloseimas devem ser evitadas sempre, em qualquer idade. E, para as crianças, o consumo deve se resumir apenas aos dias de festas e ocasiões especiais. Dessa forma, evita-se o aparecimento de doenças como cáries e obesidade infantil. Para quem não quer privar a criança do prazer do doce, indica-se liberar uma porção por dia, o que já inclui um copo de leite com achocolatado, por exemplo.